Monday, November 03, 2008

O 200º post homenageia outro grande campeão!


O 100º post deste blog foi dedicado a um grande campeão: Joaquim Agostinho, o melhor ciclista português de todos os tempos. Agora que chego ao 200º entendi homenagear outro grande campeão, não tanto pelos títulos conquistados ao longo da sua extensa carreira, mas pela sua história de vida.
João Manuel Loureiro dos Santos, a quem o seu antigo treinador José Mourinho tratava por “campeão”, notabilizou-se na União de Leiria, terminando, de forma prematura, a carreira no Moreirense. A maldita esclerose múltipla fê-lo pendurar as botas, tendo morrido aos 37 anos em Maio de 2005 no Hospital Nossa Senhora da Oliveira (Guimarães), onde tinha sido internado com pneumonia. A menos de dois meses da doença o ter levado desta vida tive o prazer de conhecer este autêntico vencedor que andou “perdido” por campeonatos inferiores durante demasiado tempo e a sua grande vontade e força de lutar contra a adversidade tocou-me na altura e ainda hoje não a esqueci. Jogou pela última vez a 11 de Setembro, frente ao “seu” Benfica, no Estádio da Luz. A esclerose múltipla impediu-o de fazer qualquer coisa sozinho, já que a doença lhe retirou a independência de movimentos. No entanto, perante esta contrariedade que o afectou de forma repentina e alterou radicalmente o seu quotidiano, o antigo futebolista demonstrava uma impressionante e contagiante força de vontade em lutar contra a doença que lhe foi diagnosticada em Janeiro de 2005.
Na agradável conversa que mantive com o João, entre as muitas boas recordações que guardou do futebol, destacou o momento em que José Mourinho disse ao grupo de trabalho do União de Leiria, e a si pessoalmente, «que se fosse mais novo» seria o primeiro a ir com ele para o Porto. «Disse-me que era pena um jogador como eu nunca ter ido para um grande e mesmo à selecção». Realizou mais de 250 jogos nas 10 épocas em que esteve no escalão principal do futebol nacional, tendo marcado quatro golos. Mantinha uma elevada regularidade nas diferentes posições do campo. Estreou-se na Iª Divisão ao serviço do Académico de Viseu, na temporada 1988/89. Depois de quatro anos em Viseu, jogou na Académica de Coimbra (três épocas), antes de chegar à União de Leiria, onde permaneceu nove épocas. Esteve na melhor classificação da equipa, disputou uma final da Taça de Portugal e as competições europeias. Por último, jogou no Moreirense. Realizou mais de 250 jogos nas 10 épocas em que esteve no escalão principal do futebol nacional, tendo marcado quatro golos.

Na votação sobre quem será o melhor marcador da Liga Portuguesa, Cardozo e Liedson arrecadaram ambos 10 votos. Os segundos mais votados foram Hulk, Nuno Gomes e Suazo todos com cinco votos. Curiosamente, o melhor marcador da época passada, Lisandro, apenas mereceu a preferência de 3 dos 47 leitores que participaram. Com dois votos ficaram Meyong, Nenê e Wesley. Por sua vez, Hélder Postiga, Marcelinho e William tiveram um, enquanto que Yannick Djaló ficou em branco. Entretanto está aberta nova votação sobre a possibilidade de Liedson vir a representar a selecção portuguesa. Votem!

4 comments :

Felipe Moraes said...

Não conhecia o Loureiro, mas pude ler uma belíssima história de um verdadeiro lutador!

Abraço,
Felipe Moraes

Filipe Araújo said...

Legal a homenagem. Não sabia da história do Loureiro. E parabéns pelo post.

Abrazo!

http://gambetas.blogspot.com

Vinicius Grissi said...

Bela história, sem dúvida. Pena que este rapaz não se tornou conhecido para o mundo assim como sua história.

gerson said...

bonita lembrança. Parabéns pelo post!