Saturday, January 17, 2009

“Amarais à la Kalanga!”

Há vários futebolistas brasileiros cujo “nome de guerra” é Amaral. Contudo, há, pelo menos, três, cujos nomes completos não têm nada, mas mesmo nada, a ver com Amaral... O mais conhecido dos três é o de Alexandre da Silva Mariano, “o coveiro”, que na época 1997/98 passou pelo Benfica, emprestado pelo Parma. Actualmente, com 35 anos, está no Perth Glory, da Austrália. Outro destes estranhos “Amarais” também já jogou em Portugal. Aos 30 anos, Anderson Conrado, hoje no Fluminense, representou Leixões e Belenenses. Já Antonio Cleílson da Silva Feitosa, de 21 anos, joga no Las Palmas, onde chegou no início desta época, proveniente do Atlético MG. Um caso semelhante é o de Paulo Baptista Nsimba, o angolano Zé Kalanga que regressou ao Dínamo de Bucareste após ter representado o Boavista.

3 comments :

Vinicius Grissi said...

Que achado o Amaral do Perth Glory. Bom post! De fato, vários jogadores usam nomes que nada tem a ver com o seu nome real.

Diego Ivan said...

Amigos, o futebol Brasileiro sempre foi original, mas o que é realmente original no futebol Brasileiro é o apelido. Desde o inicio do futebol Brasileiro os apelidos são utilizados, na Copa do Mundo de 1930 , por exemplo:
Araken
Benedito
Benvenuto
Brilhante
Carvalho Leite
Doca
Fausto
Fernando
Fortes
Hermógenes
Itália
Joel
Manoelzinho
Ivan Mariz
Moderato
Nilo
Oscarino
Pamplona
Poly
Preguinho
Russinho
Teófilo
Velloso
Zé Luís

gerson said...

o amaral coveiro era mais duro do que uma pedra. não sei como conseguiu destaque.