Sunday, January 18, 2009

Não se consegue ver? É impressão vossa...

Não conseguem ver ninguém a jogar? É pura ilusão. Houve mesmo um jogo disputado sob estas condições... Aconteceu este domingo na Guarda.

7 comments :

Saulo said...

Teve jogo mesmo?
Que isso! Não dá pra ver nada.

BOLA NA REDE said...

olá pessoal do fuetbol bonito

ando visitando o blog e acho ele bem legal e interessante

então venho aqui dizer se vc topa uma parceria e troca de links no meu blog,o BOLA NA REDE

http://www.bolanaredefutebol.blogspot.com/

comente em uma noticia no bola na rede se quer ou nao!

acho que seria bom para os 2 blogs

parabens pelo trabalho! :)

Anonymous said...

O Guarda Futebol Clube venceu o Guarda Unida, por 8-1, naquele que foi o primeiro encontro oficial entre as duas mais recentes formações da cidade.
O jogo foi disputado debaixo de intenso nevoeiro e, minutos antes do intervalo, os espectadores já não conseguiam ver o placard electrónico do Estádio Municipal.
Na segunda parte, o nevoeiro intensificou-se e, apesar dos pedidos do árbitro assistente, Horácio Carvalho, ao chefe de equipa, Marco Bernardo, para terminar o jogo, o encontro seguiu o rumo normal.
Quem estava nas bancadas e até os próprios jornalistas é que não puderam ver os golos da segunda parte.
Os jogadores brincavam mesmo com a situação, gritavam golo e reapareciam a festejar no nevoeiro... qual D. Sebastião! Ouve mesmo quem dissesse para as bancadas “O paul marcou um golo”.
O público ria e também gracejava com a situação.
ass: jornalista presente no estádio

Fernando Gonzaga said...

alguém viu alguma coisa deste jogo??? que absurdo deixarem prosseguir uma partida nestas condições....

abraço!!

dragao vila pouca said...

Meu caro, quando os maus exemplos vêm de cima, não há nada a fazer.

Um abraço

ribasemonero said...

Olha só o vídeo que foi criado para um concurso em Portugal:

http://www.youtube.com/watch?v=Ypi8lNZBKCk

O Pelé não deve ter gostado muito não. Hehe

Felipe Moraes said...

Sábado passado joguei bola no escuro, sem refletores. Mas assim... auehauehauheau

Abraço,
Felipe Moraes